Loading...
Skip to content
Boletim de resultados do PPSP – Novembro / 2016

PPSP: alta dos juros impacta resultado, mas no acumulado até novembro rentabilidade fica acima da meta atuarial

O Plano Petros do Sistema Petrobras (PPSP), de Benefício Definido (BD), registrou rentabilidade negativa de 2,33% em novembro frente a uma meta atuarial de 0,64% para o mês. No acumulado dos 11 meses do ano, no entanto, os investimentos do plano tiveram rendimento de 13,58%, superior à meta atuarial de 11,49% para o período. O resultado de novembro foi impactado pelos investimentos em renda variável (ações negociadas em bolsa, fundos e participações em empresas) e renda fixa (títulos públicos e privados, além de fundos), que encerraram o mês com desempenho negativo de 4,48% e 1,62%, respectivamente.

O segmento de renda fixa, que concentra 45% dos investimentos do PPSP, foi afetado pela performance da carteira de títulos públicos. Com a incerteza no ambiente internacional por causa da eleição nos EUA e também no cenário político nacional, o mercado passou exigir uma taxa de juros maior. Este aumento da taxa de juros fez com que os preços dos títulos públicos caíssem porque esses papéis estavam sendo negociados anteriormente com taxas de juros menores.  Isso acontece porque o valor dos títulos da carteira do PPSP varia de acordo com o preço que eles podem ser negociados em cada momento, procedimento conhecido como “marcação a mercado”.

Os títulos públicos do PPSP seguem essa marcação a mercado, por causa da necessidade de liquidez, isto é, a possibilidade de o investimento ser convertido em dinheiro com maior rapidez. Sendo assim, se for necessário recompor o caixa para pagar benefícios, a Petros pode vender esses ativos a qualquer tempo, observando as oportunidades de mercado. Por outro lado, se esses títulos forem mantidos na carteira até a data de vencimento, a Petros receberá os juros correspondentes à rentabilidade negociada no momento da compra, independentemente das variações do valor do título ao longo do tempo.

Assim, o resultado de novembro reflete a avaliação dos títulos naquele período, mas não implica necessariamente perda financeira, porque isso só ocorre quando os papéis são vendidos. Entretanto, no acumulado dos 11 meses do ano, a carteira de renda fixa teve alta de 23,08%, bem acima do CDI, principal referencial de mercado, que subiu 12,73% no mesmo período.

Os investimentos em renda variável (-4,48%) acompanharam os principais indicadores de mercado, o IBrX-100, que teve desempenho negativo de 5% no mês, e o Ibovespa, com -4,65%. Esses resultados foram impactados pelas incertezas do cenário internacional.

O segmento de Investimentos Estruturados (composto principalmente por Fundos de Investimentos em Participações – FIPs, veículos de investimento em empresas ou projetos de empreendimentos) apresentou desempenho negativo de 0,48%. Isso porque, embora neste mês alguns FIPs tenham recebido dividendos das empresas investidas, o valor não foi suficiente para cobrir as despesas com as empresas e projetos investidos.  
 

 Grandes Números – PPSP – Novembro / 2016 – rentabilidade

Grandes Números – PPSP – Novembro / 2016 – investimentos

*A rentabilidade total do plano é o retorno dos investimentos, descontados outros fatores que interferem no resultado, como, por exemplo, despesas de custeio administrativo.


Composição da carteira 
- em percentual (%)

Grandes Números – PPSP – Novembro / 2016 – carteira de investimentos
 


Movimentação do PPSP em novembro 

Grandes Números – PPSP – Novembro / 2016 – seguridade

• Patrimônio (ativos): são todos os investimentos que o plano possui, mais outros recursos que ele tem a receber.

• Compromissos futuros do plano (passivo): são os valores comprometidos com os pagamentos de benefícios de todos os participantes, seguindo o que está previsto no regulamento do plano.

• Equilíbrio técnico: é basicamente a diferença entre os compromissos futuros e o patrimônio do plano. Sofre variações para mais ou para menos, de acordo com a movimentação desses compromissos e a rentabilidade dos investimentos. Quando os compromissos futuros ficam maiores que o patrimônio ocorre déficit. Quando a situação é inversa, há superávit.

Saiba mais: O déficit acumulado passou de R$ 24,2 bilhões, em outubro, para R$ 25,9 bilhões, em novembro, devido ao desempenho negativo dos investimentos e ao aumento das despesas previdenciárias decorrentes das novas concessões de aposentadorias no mês.
 

Fundação Petrobras de Seguridade Social - Petros - CNPJ 34.053.942/0001-50

 Rua do Ouvidor, 98, Centro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil CEP 20040-030

 Central de Relacionamento: 0800 025 35 45 (dias úteis das 8h às 19h)

 Envie um e-mail